segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Convivendo com a TPM







            Você pode imaginar que este tema interesse apenas às mulheres. Não é verdade. A tensão pré-menstrual atinge mulheres, homens e crianças. Não diretamente, mas a verdade é que todos são afetados por esse mal num ambiente onde alguma mulher sofre com os sintomas da TPM. E são várias as situações em que essa síndrome pode se manifestar, interferindo na boa convivência com o marido e os filhos, com amigos, colegas de trabalho, chefes e subordinados, enfim, prejudicando as relações diárias.
Conhecendo os sintomas e admitindo a existência do problema, fica mais fácil entender que trata-se de uma fase em que a mulher não tem controle sobre suas atitudes e reações. Compreensão e paciência são palavras-chave para quem vive ou convive com a TPM. Como a tensão pré-menstrual atinge 64% das mulheres, há grande chance de você ser beneficiada(o) ao ler esta matéria.

Tensão Pré-Menstrual
Pode ser difícil acreditar, mas já foi comprovado que as taxas de suicídios e crimes envolvendo mulheres são mais freqüentes na fase pré-menstrual. Portanto, o assunto é sério e não deve ser desprezado. "Estudos atuais revelam que uma em cada 25 mulheres apresenta um desequilíbrio hormonal tão grave (nesse período) que pode levar a alterações de personalidade", informa a Dra. Margareth dos Reis, psicóloga e terapeuta sexual. De acordo com ela, os sintomas da TPM podem variar desde sensações de tristeza, angústia e pessimismo, até pensamentos mais drásticos, como por exemplo, os pensamentos suicidas.
Os sinais predominantes na TPM são ansiedade, depressão e irritabilidade, mas eles variam de mulher para mulher. Assim como a intensidade deles. Algumas podem apresentar dificuldade de concentração, alteração do apetite, falta de libido, insônia, além de cansaço, dores no corpo, inchaço, sensibilidade mamária e dor de cabeça. Também podem mudar de um mês para o outro. O importante é que se detecte em qual fase a tensão aparece para que um médico faça o diagnóstico. "São muitos os sintomas associados, por isso o conhecimento de cada mulher sobre seu ciclo e meios de lidar com essa realidade são relevantes", diz a terapeuta. 

Alterações hormonais
A mulher atual sente mais a tensão pré-menstrual do que as gerações anteriores. A Dra. Margareth explica que isso ocorre porque antigamente as mulheres estavam sempre grávidas, com média de menstruações em torno de 10 a 20 vezes durante toda a vida. Com a chegada da pílula anticoncepcional, ela passou a menstruar 12 vezes ao ano e o número de episódios de TPM aumentou, variando de 350 a 400. Para uma mulher que não tem filhos, calcula-se esse número em torno de 500.
Segundo especialistas, a causa da síndrome está associada às oscilações hormonais de estrógeno e progesterona que ocorrem ao longo do ciclo menstrual e que interferem no sistema nervoso central. O tratamento é a terapia de reposição hormonal, indicada sempre por um médico especialista. Mas exercícios físicos e alimentação adequada também ajudam. Produtos que possuem cafeína (café, refrigerante, chá preto, chá mate e chocolate) e gorduras saturadas, agravam o problema. Assim como o sal, que propicia a retenção de água. Álcool e cigarro também devem ser evitados. Para quem não gosta de exercícios pesados, simples caminhadas ajudam a aliviar os sintomas da TPM. 

Motivo de piada
É comum relacionar a irritabilidade na mulher à tensão pré-menstrual. A síndrome, que não é considerada uma doença, virou motivo de piada. Frases como "ela está naqueles dias" ou "é a TPM", são comuns como reação ao mau-humor feminino. Apesar de as piadas serem, na maioria das vezes, de autoria masculina, muitos homens preocupam-se com o bem-estar das mulheres nessa fase.
A seleção brasileira feminina de futebol teve atenção especial nesse sentido nos Jogos de Atenas, em 2004. A decisão foi do técnico Renê Simões para evitar desentendimentos entre as atletas, que chegaram a brigar na concentração em competições anteriores. A solução foi submetê-las a um tratamento para que elas não menstruassem durante os jogos.
Iniciativa parecida teve o técnico Zé Roberto quando voltou a comandar a equipe brasileira de vôlei feminino. O ciclo menstrual das jogadoras foi monitorado e algumas atletas foram poupadas em períodos críticos. Nos dois casos citados, os homens vivenciaram as alterações de comportamento provocadas pela TPM, entendendo que a mulher não tem controle sobre suas atitudes e reações nessa fase e que este é realmente um mal que precisa ser tratado. 

Vontade de chorar
A tensão pré-menstrual é sentida de 1 a 15 dias antes da menstruação, justamente a fase em que ocorrem os desequilíbrios hormonais. A serotonina, por exemplo, produzida pelo sistema nervoso e responsável pelas emoções, tem seu nível diminuído na TPM. Por isso algumas mulheres sentem uma incontrolável tristeza e vontade de chorar durante esse período. É importante atenção, porém, para diferenciar a síndrome de uma possível depressão.
Qualquer dos sintomas citados não estão relacionados à TPM quando ocorrem em outra época do mês. Devem, portanto, ser avaliados e tratados por especialistas. É preciso que as mulheres fiquem alertas para identificar as alterações de comportamento e, conscientizadas do problema, consigam conviver com elas, não permitindo que atrapalhem as atividades diárias, o desempenho no trabalho e estudos ou as relações sociais. E os homens, conhecendo esse mal, suas causas e efeitos, precisam exercitar a compreensão e a paciência, que ajudam muito na convivência, evitando que sejam atingidos diretamente pela TPM.

Luciana de Melo (locutora e jornalista)